Milton Santos, o grande mestre do Brasil

8 de Setembro de 2010


 

 

Entrevista com Milton Santos, o grande mestre do Brasil:

” # – Em entrevista no programa Roda Viva, o senhor afirmou que observamos atualmente uma capitulação dos intelectuais brasileiros diante da situação do país. Como define essa capitulação?

* A capitulação dos intelectuais é um fenômeno internacional já antigo e que se agravou com a globalização. Isso de alguma maneira perdura com a democracia de mercado de hoje. A intelectualidade brasileira se organiza através de grupos fechados que necessitam mais de fazer pressão, para sobreviver, do que de se reunir para pesquisar. Por isso tendem a se aproximar do establishment, o que reduz a sua força de pensamento, imaginação e crítica. Isso equivale a capitular. No Brasil, há exceções, mas essa síndrome precisa de uma cura urgente.

# – Em uma de suas declarações mais contundentes no programa Roda Viva, o senhor afirmou que o pobre é neste momento o único ator social no Brasil com o qual podemos aprender algo de verdadeiro. Poderia explicar?

* Em A natureza do espaço falo um pouco sobre essa idéia. As classes médias são confortáveis de um modo geral. O conforto cria dificuldades na visão do futuro. O conforto quer estender o presente que está simpático. O conforto, como a memória, é inimigo da descoberta. No caso do Brasil isso é mais grave, porque esse conforto veio com a difusão do consumo. O consumo é ele próprio um emoliente, Ele amolece. Os pobres, sobretudo os pobres urbanos, não têm o emprego, mas têm o trabalho, que é o resultado de uma descoberta cotidiana. Esse trabalho raramente é bem pago, enquanto o mundo dos objetos se amplia.

# – O senhor fala da sabedoria da escassez…

* Exatamente. Fui buscar esse conceito em Sartre, quando ele fala da escassez que joga uma pessoa contra a outra na disputa pelo que é limitado. Essa experiência da escassez é que faz a ponte entre a necessidade e o entendimento. Como a escassez sempre vai mudando, devido a aceleração contemporânea, o pobre acaba descobrindo que não vai nunca morar na Ipanema da novela, que jamais vai alcançar aquelas coisas bonitas que vê. Ele continua vendo, mas está seguro hoje de que não as alcançará. Gostaria de dizer que a classe média já começa a conhecer a experiência da escassez. E isso pode ser bom. Como a classe média, na sua formação, tem uma capacidade de codificação maior, isso vai nos levar a uma precipitação do movimento social, da produção da consciência, ainda que seja de uma maneira incompleta.”

Fonte:
http://www.nossosaopaulo.com.br/Reg_SP/Educacao/MiltonSantos.htm
(Sobre Milton Santos)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Milton_Santos
http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-124g.htm
http://www1.folha.uol.com.br/folha/publifolha/ult10037u351805.shtml
http://www.hottopos.com/mirand13/elian.htm
http://www.geo.ufv.br/docs/monografias/samuelSilveira.pdf

Este é o espírito de “O caminho aberto”, que propõe uma união de forças entre a Esquerda Latino-Americana (que na prática é crente), a Teologia da Libertação (que na prática traduz a mentalidade da maioria dos cristãos que somos nós, não os brancos) e o Islão (que está aberto a qualquer visão crente, universalista, libertária e socialista). Isto, a fim de acabar com o imperialismo ocidental e, acima de tudo, evitar uma iminente Terceira Guerra Mundial. Nós podemos fazer isto trocando informações relevantes (no padrão usado acima: citação + link da fonte + link sobre a autoridade referida)!

A proposta
http://www.martinsbenperrusi.com/crbst_47.html

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: